Delírios

António de Almeida - 04.06.2008

Vi ontem a noite na SIC Notícias Ana Lourenço entrevistar Miguel Urbano Rodrigues, confesso que não aguentei tanto disparate, aquilo dava vontade de rir até levar uma pessoa ás lágrimas. Que Raul Reyes e Manuel Marulanda não eram terroristas, mas um exército de libertação, não raptam pessoas, apenas cobram uma taxa (nome que deu ao resgate) a quem atravessando o seu território tem dinheiro para a poder pagar, convidando-os a permanecerem alojados com eles enquanto tal taxa não é paga, deve ser por isso que Ingrid Betancourt continua retida nas garras de tal organização á qual continuarei a chamar terrorista.
Outro paraíso na terra segundo Urbano Rodrigues é Cuba, vítima dum boicote terrível, deve ser por isso que por lá bebi Coca-Cola entre outros produtos do capitalismo, a quem a cúpula do regime vendeu a alma enquanto vai convencendo os seus cidadãos das maravilhas do regime, embora alguns teimem em não percebê-las, arriscando a vida em balsas, certamente atraídos pelas promessas dos criminosos de Miami.
O máximo que Urbano Rodrigues concedeu foi terem existido uns erros por parte dos regimes amigos do leste europeu, uns erros pasme-se, como se Gulags, muro de Berlim, o esmagamento da primavera de Praga tenham sido apenas uns erros. Não falou da Coreia do Norte, essa é mais da especialidade do Bernardino, mas não existiu no mundo até hoje um único país comunista a alcançar o sucesso e promover o desenvolvimento económico da sua população.
A não ser que me venham falar no milagre económico promovido pelo PC Chinês, ao qual os demais PC's se procuram associar, não vendo o ridículo a que se expõem, pois o PC Chinês converteu-se ao capitalismo há já muito tempo, mantendo do Comunismo apenas a ditadura, que já não é do proletariado.
Percebe-se bem do que nos livrámos em 1975 quando deixámos de lado o PREC e acertámos o passo com a civilização.

3 comentarios:

Tiago R Cardoso disse...

gostei do resumo, deve ter sido um entrevista digna de nota.

osátiro disse...

Não há maneira de essa malta ter a nobreza de reconhecer o maior embuste do séc XX-como disse Veiga de Oliveira!

Paulo Vilmar disse...

Se entendesse um pouco da história mundial e principalmente da história latino americana, não falaria tantos disparates. Vamos a uma pequena aula:
Após a grande crise de 1929, pela primeira vez o mundo passou a enxergar de outro modo o liberalismo ortodoxo, doutrina capitalista que vigorava inabalável desde o século XIX. Começou a se cogitar, a partir de então, a intervenção do Estado na economia, de forma a minimizar as conseqüências da grande quebra iniciada nos Estados Unidos. Eram necessárias atitudes urgentes que pudessem responder aos interesses das fragilizadas burguesias nacionais dos países dependentes.

Na América Latina, grandes representantes deste giro histórico foram Cárdenas, no México, Perón, na Argentina e Vargas, no Brasil. A nacionalização do petróleo e o investimento industrial foram importantes pautas deste amplo movimento. Na Colômbia, entretanto, o grande poder da ala conservadora, alinhada com o expansionismo estadunidense, impediu que reformas progressistas tivessem lugar.

Em 1948, a situação de ingerência externa por parte de multinacionais chega a tal ponto, que os ditos "liberais", aliados aos pequenos grupos socialistas de então, iniciam uma guerra civil contra o governo conservador. As primeiras etapas deste conflito armado podem ser conhecidas através do realismo fantástico da grande obra de Gabriel García Marques "Cem Anos de Solidão".

Após 16 anos de luta guerrilheira e a conquista de algumas reivindicações políticas, os liberais tentam frear os avanços políticos, ao perceber o avanço das forças aliadas socialistas que se acelerava além do esperado sob a influência do triunfo revolucionário cubano. Traem, então, o acordo com as esquerdas, passando para o lado conservador.

Em 27 de maio de 1964, dezenas de milhares de soldados são enviados para o povoado de Marquetália para reprimir 48 camponeses comunistas rebelados, que fogem para as selvas e montanhas. Esta data é tida como a fundação da maior e mais antiga guerrilha da América, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). Em 40 anos, aquela meia centena de revoltosos comandados por Manuel Marulanda – o histórico líder máximo conhecido como Tiro Certo – se transformou em um grupo político armado com quase 30 mil homens.
Fique claro, que o que existe é uma guerra, se quiser, ou mostra interesse em entender um pouco melhor o que se passa nesta distante Lation América, posso lhe provar, que Uribe (atual presidente da Colômbia) não passa de um marionete dos EEUU. Foi secretário de imprensa de Pablo Escobar(o maior traficante mundial, nos anos 80. AS FARC controla metade do país, a despeito dos milhões de dólares que os EEUU despejam na região! O General Norte americano que comandava o progra está preso, sacusado, em seu país de promover o aumento do tráfico em proveito pessoal. Existe uma guerra na região... Uma guerra civil, de um povo tentando se libertar, mas isso é coisa incompreensível para admiradores de Ditadores...