À atenção dos Senhores Anti-Portugal.

Exmo Senhor Rui Alves, Presidente do Nacional da Madeira,

Considerando que na sua mais recente entrevista falou de mim, ao afirmar que "não gosto dos portugueses", considero que tenho o direito de contrapor à sua opinião.

Portugal tem na sua história casos de profunda falta de sentido de estar e de se portar em sociedade, mesmo em pessoas gostam da sua pátria.

As afirmações que proferiu levanta-me uma pergunta.

O senhor afirma que não gosta de portugueses, da língua portuguesa e da cultura portuguesa. Assume ainda defender a independência da Madeira e que em 2011 irá abandonar o país.

Perante tão grande manifestação, em que o senhor não é original, já que há por aí muito boa gente que diz as mesmas coisas, então a pergunta que me coloco imediatamente é : "Porque não se põe a mexer já?"

Seria sem dúvida uma enorme contribuição para a oxigenação do país, para além de ser um enorme serviço aos nossos ouvidos e cérebros.

Portugal está deprimido, sente-se aqui empurrado para o mar, sem espaço por onde fugir, não se sente o viver, apenas se consegue todos os dias o sobreviver.

Anda por aqui dividido entre José Sócrates, Filipe Menezes e outros, entre Norte e Sul, entre pontes e aeroportos, entre Educação e Saúde, entre azuis e outras cores.

Apesar de muito pequena, lá no fundo existe ainda uma esperança, que aos poucos consigamos ganhar forças e lutar para mudar isto, porque amamos o nosso país, continente e ilhas incluídas, é a nossa alma, é o nosso berço, somos nós.

Por isso, Senhor Rui Alves e todos os que embarcaram no seu bote de borracha de Anti-Portugal, todos aqueles que se odeiam a si próprios por pensarem e falarem em português, boa viagem e não voltem sempre,

Atentamente e cordialmente de um português,

Tiago Cardoso

Nota - Esta carta é uma carta formatada, podendo o nome do destinatário ser reajustado a diferentes pessoas; quer dizer, é um modelo que serve para muita gente neste nosso Portugal, infelizmente.

34 comentarios:

joshua disse...

Esse Rui Alves é um bom português, apenas com ânsias de Primeira Página e nada mais. Nada do que ele diz é para levar a sério. Nada do que se diz na Madeira sobre independência é para levar a sério porque há independências que reduzem ainda mais à irrelevância mesmo um cu de Judas Florido, como a Madeira, já irrelevante e irrisório no grande esquecimento mundial pelo que é pequeno e cu-de-judasiano, embora assombrosamente belo.

Como Rui Alvez não é Poeta nem sente a fundo o País, e mesmo que o sentisse, nada de jeito saberia dizer ou exprimir, mas é bom português porque um português normal que não gosta de si nem dos outros, nem merecia ser referido aqui. É uma tonteria referi-lo. Atinges-me de facto em tentativa mais a mim que a ele, mas na verdade era isso que querias em primeiro lugar.

Agora, há muito bom português que diz e pensa e sente o pior que se pode sentir de uma tera injusta e madrasta como esta, mas não é por falta de patriotismo. É por excesso dele. Tal é sem sombra de dúvida o meu caso e bem sei que quiseste que me revisse nas tuas palavras e isso agrada-me. Revejo-me apenas para as contraditar.

As fodinhas provocatórias são um bom e antigo hábito do Notas. Dão-me razões excitantes para comentar a ferro e fogo porque eu quero.

Outros patriotas há, e maus, que sorvem o nosso suor por uma mangueira e não têm um pingo de consideração pelo bem geral, fodendo os seus proventos em carros de alta cilindrada sucessivos, imaginativas orgias caras, banhos e massagens nas Saunas Gays onde se deixam enrabar como numa excitante lotaria de formatos e morfologias de braços vigorosos, e nas viagens por grosso e nos luxos a que não se poupam. Estão no seu direito de ser dissipadores e insensíveis e desonestos e perdidos, mas puta que os pariu por não se lhes conhecer um sentido de cidadania que se incomode com a penúria dos seus compatriotas, entre os quais me incluo. Nem para pagar os impostos servem. Nem um copo de água dariam a um sedento como eu de SOBREVIVER.

Só para te dar um pequeno exemplo, há um cabrãozolas que vem ao Pub que me pede todas as noites para lhe pendurar o caralho do casaco. Tem esse vício. É mais forte que ele, mas é o único a fazê-lo. Os outros têm mãos e sabem o caminho dos cabides. Pois esse Don Giovanni de meia idade, tem um BMW que mais parece uma nave extraterrestre com tudo automático, vai ao Brasil quatro vezes por ano e tem duas mulheres, além da legítima, coisa de que se gaba, enquanto pastoreia o seu inchado estômago solitário e ultramontano pelo bar do Pub à procura de uma boa conversadora, com classe e estatuto e não oca. Que vá esperando.

No alto do seu nariz de rampa de sky e da sua conversa amena e até simpática comigo, nunca me foi capaz de dar um euro de gorjeta, há tantos meses, um sinal de sensibilidade que se sinta. Ao passo que outros, mal vestidos, malcheirentos, grunhos e pobres, não saem do Pub sem me darem uma moeda e nada de transcendente e auto-encomioso têm a dizer sobre si mesmos, a não ser: «Sou pobre, separado, desempregado, estou fodido com a minha vida, o divórcio está a dar cabo de mim, filhos, partilhas, bens. Até amanhã. Aqui tem um euro.».

Querer rasgar as consciências, Tiago, é o que me faz reproduzir coisas que um Alves não sabe dizer, mas parece que diz sobre independência e emigrar para longe daqui. E já que aqui são abundantes as fodinhas de vôo baixo, por exemplo, à caralha da Sniqper, que bem faz por merecê-las com a sua altivez de tia botoxiada, a A e a B e a C, e agora a mim, deixa-me foder-te também com a mesma amizade de sempre, como uma TV Rural só para nós, «Despeço-me com amizade»: há o aço-aço que por pouco não nos leva a perna inteira mas nos faz Novos na Vida. E há o aço de um acordar radical da nossa consciência humana e fraterna. Já to disse. Cedo tive o meu aço mortífero a bem do meu renascimento. E o que mais desejo é o acesso aos bens de cultura e da abundância de bem-estar, do Amor fraterno para todos e entre todos, e foi o aço a que me dei, que me gerou esse desejo, um aço moral e aspiracional tão extremo, que algures na minha vida, desabando, me matou e mata muitas vezes de sonho e de insatisfação esperançosa. Sou ambicioso por mim mesmo. Gosto de mim por mim mesmo. Vou aonde tiver de ir e farei o que tiver de fazer por mim mesmo, por que outros tenham um acordar semelhante ao teu e semelhante ao meu. Penso ter Poesia e fuel-sonho para isso.

Há mais mundo que o que a tua bola de cristal te dite sobre quem é quem e porque gravita ou não gravita em torno do Notas, nele comentando ou não comentando.

PALAVROSSAVRVS REX

lusitano disse...

O Sr. Rui Alves pelos vistos é presidente do Nacional da Madeira coisa que eu não sabia, mas perante o descrito coloca-se-me a pergunta:

O Nacional da Madeira é nacional tendo em vista a Madeira como Nação, ou intitula-se ainda nacional referindo-se à Nação Portuguesa?

É que se for a segunda hipótese o homem tem que mudar de clube!!!

Sniqper ® disse...

Caro Tiago,
Assino por baixo a carta publicada, chega de conversa. Quem não está bem muda-se, simples.
Quanto ao anormal, de nome Joshua, deixo-lhe um simples conselho...
Continua lá a passear pelas Saunas Gays, a pendurar o casaco do outro que te faz abanar de inveja pelo BMW e afins, recebe as esmolas dos pobres, mas para o meu lado não estiques muito a corda, corres o risco de te enforcares nela, topas grunho?

António de Almeida disse...

-Não gosto de Rui Alves, sempre zangado com tudo e todos. É um daqueles que se julga superior, mas ninguém lhe reconhece valor, no PSD-M, no futebol, de Alberto João Jardim a Hermínio Loureiro, passando pelos clubes portugueses practicamente todos, ninguém lhe liga. Diz que se vai embora, já vai tarde.

joshua disse...

Bajuladora! Sniqper, não prestas mesmo! De resto, continuas uma sôfrega leitora do que eu escreva.

Ficar-te-ia tão bem seres indiferente ao que eu dissesse, já que só reténs o que te toque a impostura e o formalismo. »Saunas Gays, inveja, enforcar, esticar a corda, eu, eu e mais eu». Só tens o teu eu merdoso à frente do nariz, ó Tiazinha!

PALAVROSSAVRVS REX

Carol disse...

O srº, como outros, quer a independência? Venha ela e depressa que já se faz tarde!
Em 2011 vai-se embora? Para quê perder tempo?! Vá já a seguir, amigo!

Tiago R. Cardoso disse...

Eu disse ontem que vinha ai tempestade, aliás está atá a trovejar, pena que já não dá para ir à praia, apanhar aquela brisa do mar, mas não faz mal melhores dias virão.

Volto mais tarde para falar com os nossos estimados comentadores...

Sniqper ® disse...

Muito bem Sr. Tiago,
Como se diz cá na minha aldeia "Cá te espero...", porque essa de prever tempestades tem muito que se lhe diga, mas de facto com anormais como o tal, leia-se Joshua que anda comigo atravessado na garganta era de esperar, bela combinação, sim senhor!
Agora aguardo pelos outros, porque no silêncio escondem-se as manobras, venham, que eu ando por cá, sempre.

quintarantino disse...

Eu tenho para mim que quem armou a confusão é que deve sair dela.
Por isso, não me metam em barulhos para os quais não dei nem um cêntimo!


Qaunto ao outro, ele quer a independência?
É dar-lha e quanto mais rápido melhor!

Alma Nova disse...

Se há coisas que não consigo compreender, e muito menos admitir, é a provocação pura, sem qualquer respeito e consideração por nada nem ninguém (caso patente aos olhos de todos no primeiro comentário do Joshua) e admiro-me como os donos deste espaço não só a permitem como parece até que a estimulam e acolhem num local que dizem ser de amena discussão. Afinal liberdade, democracia e respeito incluem provocação? Não foi isso que aprendi!
Ter opiniões diferentes e defendê-las perante todos faz parte do livre exercício dos direitos como pessoa e cidadão. A injúria, a linguagem caluniosa e obscena e a provocação gratuita não me parece que favoreçam a tal discussão franca e aberta que todos apregoam!
Mas como se costuma dizer cada um escolhe as suas companhias, no caso quem admite que lhe venham sujar a casa, talvez goste de viver no meio do lixo ou faça parte dele...
"Lavar as mãos" à Poncio Pilatos não me parece a melhor forma de preservar/respeitar um espaço que se diz digno...e é o que parece que anda a acontecer por aqui...
Só posso tirar esta conclusão do muito que por aqui já li, escrito sempre pelo mesmo comentador e pelos vistos de concordância com a equipa do Notas, enfim atitudes!

Sniqper ® disse...

Pois claro Sr. Quin,
Qual a atitude mais conveniente para conseguirmos para estarmos sempre de bem com a vida e com as pessoas no papel de Eu, não fiz nada, nem li...!
Comprar Deus e o Diabo, atitudes que demonstram de facto tudo, e mais é desnecessário sequer escrever, é pena mas é verdade, um espaço que podia servir para opinar transforma-se numa arena e com consentimento, enfim.
Passem bem, e afoguem-se nos vossos actos, porque de facto esta não é a minha forma de estar na vida, se é a vossa parabéns.

quintarantino disse...

SNIQPER a ver se eu entendi ... quem o insulta e provoca foi o Joshua após uma troca de galhardetes entre o Joshua e o Tiago, e eu é que sou Pilatos?

E qual o seu interesse em arrastar para a pocilga em que alguém chafurda as outras pessoas?
Sente-se bem com isso?

E já percebeu que aqui cada um é responsável pelos seus actos?

Tanto tempo andou sem cair nas diatribes em que agora pretende envolver outros e agora regressamos a um discurso que já vi outrora ...

Não me compete a mim pedir desculpa por actos de terceiros, nem envolver-me no lodaçal que
criaram.

Disse-o e repito-o.
E como sei que é inteligente, penso que posso dizer que "para bom entendedor, meia palavra basta!"

Se não bastar, paciência.

joshua disse...

Alma Nova, a tua lista de valores é a minha lista de valores.

No teu caso apenas lista. No meu praticado quotidianamente, seja no trato com as pessoas, seja na poesia que produzo todos os dias e a todas as horas.

Acontece que me tem parecido útil, genuíno que brotem de mim os impulsos que de facto querem sair, sinto uma necessidade de rasgar e romper com as hipocrisias formais, com as homilías decentísticas, como essa tua, para que a verdade e os sentimentos emirjam e se revelem para além dos biombos e formulações tão habituais como convencionais.

Tal como a Sniqper, também tu não compreendes por que motivos deve um homem levantar umas cordas e expulsar os vendilhões do templo, entretidos na legitima actividade de trocar e vender e cambiar moeda. Não se trata de desrespeitar e injuriar e não sei quê vendilhões da tua lista de apendicites e aparências, trata-se de expulsar efectivamente. Esses vendilhões não são pessoas. São actitides putas de frias e doentes de insensíveis aos outros.

Agora, no momento em que tu e a Sniqper me vêm dar lições de bom comportamento, em que ignoram a margem a que um homem se deve e pode dar à indignação que sinta, ao sofrimento por que passe, às carências e injustiças que suporte, está tudo dito. Porque para vós o asséptico e o curial sobrepõem-se ao grito de sofrimento concreto das pessoas, aos homens de carne e osso e os seus dramas caso a caso. A Sniqper brincou inclusivamente com isso e não é a primeira vez que desdenha da Droga e dos drogados, que se mete comigo insinuando malevolamente que escrevo sob o influxo de qualquer substância ou que agora com enorme prazer me coloca no meu lugar de trabalho provisório naquele servilismo que lhe convém sublinhar ser o meu, de humilhado e despojado social.

Em suma, as violências e as revoltas fazem-se precisamente por isto que vos perpassa paradoxalmente: por causa da passividade e do bom comportamento hipócrita da vosssa lista de valores e de exclusões caralhísticas, por causa do vosso desinteressado das pessoas concretas e do porquê das suas iras, como tu e como a Sniqper, a quem sou, enquanto Drama e enquanto Especificidade Respeitável, uma irrelevância. As minhas provocações não são, como vês, gratuitas nem caem do céu aos trambolhões. Têm uma origem. Têm um fundamento. Têm também um objectivo ante tão profunda irrelevância que vos merece uma voz na sua totalidade e na sua representatividade de outras que pegam em armas, que roçam e praticam o crime, via que rejeito com quantas forças e naturalidade me habitam.

Que não consigais ver isto, eis aí todo o MAL, a meus olhos e toda a fonte de má-velhice para almas envelhecidas, como as vossas, que me superficializam o verbo e filtram o que lhes não convém saber e sentir fraternal e participadamente.

PALAVROSSAVRVS REX

joshua disse...

Daqui do lodaçal apoçilgado, clamo: «Está lá? Tou? Está-me a ouvir? Está? Estou? Faz favor de dezere.»

Há aí seres humanos mesmo ou estão todos entorpecidos pela listinha comportamental de absoluta decência e bom comportamento imaculado da Alma Nova?

Estão todos vivos ou no limbo do eterno amuo da Sniqper, esse ciclo que se repete e se repete e se repete, ela que nunca fez nada de mal nem diz, tão virginal e inocente?

Dão-me licença de estar vivo e de ser eu mesmo ou querem moderar-me o excesso de liberdade em me exceder? Por que é que não me excluem do recreio? Por que não me põem de quarentena? Por que não fazem queixa de mim ao Procurador Geral? Há já quem, fora de todos os lodaçais, me tenha começado a ignorar, e bem!, porque é assim que se faz com quem já não consideramos como amigo, mas reles incómodo sem perdão.

Sigam o exemplo.

E façam o favor de ler tudo o que eu escrevi direitinho outra vez. E tu, já para a casota, Bobi, pára de brincar na lama do joshua. Mania!

Um Grande Abraço, Meu Amigo Tiago!
Só tu me compreendes! Alguém teria de sobrar no meio de tanta correcção e elevação de elevador.

PALAVROSSAVRVS REX

Zé Povinho disse...

Parece que há quem deva de facto mudar de casa, porque não se sente bem, ou porque julga poder valer-se a si próprio.
Boa viagem, que já vai tarde.
Abraço do Zé

Sniqper ® disse...

Caro Quin,
Acho que não fui suficientemente claro no que escrevi, pelo facto de ter afirmado que muitas e más cenas por aqui passam sob a capa de comentário, mas que de facto em nada contribuem para esclarecer ou promover ideias ou discussões salutares.
Como tal, expressei o meu descontentamento visando a pessoa que foi fundador do Notas, e que tantas são as vezes que tem colocado algum bom senso neste tipo de situações, esta foi a minha mensagem, nada mais.
Agora para o Quin, a restante equipa do Notas e todos os que por aqui passam e participam, de facto é absolutamente desnecessário este tipo de discussões, que como disse em nada favorecem este espaço, mas de facto aturar um anormal que parte para o insulto, sem mais nem menos, que fala feito um deus, que usa uma imagem pela qual deveria ter respeito, que se vitimiza mas agride, não existe paciência, é uma anormalidade que insiste e teima até em me provocar no feminino, enfim um caso de colocar fechado a sete chaves para não contaminar esta sociedade.
Quanto ao Notas, de facto seria uma decisão pouco correcta deixar tanto de o visitar como de comentar, afinal este é um espaço de muita gente não de um anormal revoltado com a vida.
Por cá continuarei, lendo, comentando e participando, como sempre fiz até hoje, como Sniqper, sexo masculino, planeta Terra.

Tiago R. Cardoso disse...

Joshua,
Sobre o assunto já falamos.

Sniqper,
esclareço que tudo não pode ser lido literalmente, nada do que escrevi tem a ver consigo, tem apenas a ver com uma situação anterior que tive com o Joshua.

Embora não ache que tenha feito algo de mais, nem muito menos de me justificar, penso que a situação, foi mal interpretada por si, ou seja a minha declaração, tinha um destinatário que entendeu perfeitamente o que eu disse e entendeu que era para ele.

Redireccionando para o assunto que realmente interessa, o meu texto, estamos ambos de acordo, temos de lutar por um país melhor, amar o que temos e lutar por um cada vez melhor Portugal.

Tiago R. Cardoso disse...

Lusitano,
Não só de clube, deveria mudar era logo de país, para que esperar por 2011.

Carol,
vai tarde e que ele não volte sempre.

Tiago R. Cardoso disse...

António de Almeida,
O problema é que enquanto ele não se põe a mexer temos de o ouvir, tem por ai muita comunicação social que gosta de o ouvir.

Alma Nova
agradeço a participação.

joshua disse...

E chamando-me anormal e revoltado com a vida, apaziguas este espaço e esclareces alguma coisa, caríssima Sniqper, dos Caro Tiago e Caro Queer? Isso não é fechar um ciclo é continuar a incendiar tudo.

PALAVROSSAVRVS REX

Tiago R. Cardoso disse...

Zé Povinho
e que não volte, ficamos nós a lutar por um país que amamos.

Quintarantino,
correcto, bem dito.

Mais do que ele desejar a independência, nós é que desejamos a independência dele, que vá e fique por lá.

joshua disse...

«Caro Tiago e Caro Queer»,

Agora a sério: Caríssimo Tiago,
a minha participação elevada e pertinente nunca esteve periclitante e a minha extrema correcção e respeito pelo Notas Tontas e por cada um dos seus intervenientes são dados sólidos e adquiridos e nunca estiveram à mercê de nada ou de ninguém. Estou aqui porque quero, porque me deixam e continuarei se quiser, umas vezes no lodaçal da palavra lodosa outras no Olimpo da palavra olímpica. A vida é assim e é assim para todos.

Nunca ameacei ir embora de esta caixa de comentários que sempre me foi benfazeja e onde desopilei dos momentos mais angustiosos que vivi nos últimos meses. Nunca demandei qualidade, diversidade angulosa e angular de abordagens neste fórum com futuro porque ele está no bom caminho e tem feito muito pela PLURALIDADE tonal e opinativa.

O diferendo que me opõe à comentatrix Sniqper é da ordem da ética profunda. Enquanto desequilibrada atriz, ela repara demasiado em quem comenta que no texto em apreço. Já foi deselegante e completamente intragável com o meu amigo Implume. Tudo aliás começou aí. Contesto-lhe a superficialidade e o bom tom superioral. Ela incomoda-se que eu a mande foder, que a chame impostora e instável, provocatória e insensível. É um diferendo e é natural que se incomode.

Se a minha oposição a esse caracter bizarro, insuflado da iliteracia do Outro vos coloca, ao Notas Tontas, problemas de qualquer espécie, é só dizer. Eu posso sempre adequar o meu discurso às conveniências do Notas e é isso que predomina. Menos palavrões e mais contundência não é nada complicado. Sou daqueles que odeia sonsos e sonserias. Prefiro pratos imediatamente limpos.

Porque as incompatibilidades de forma, a exigência pedante de nível, de elevação e correcção, a mim, mercem-me, só para marcar a minha diferença, absoluto nojo porque me são exigências sujas e viciadas.

Ninguém aprecia mais o frisson da montanha russa do verbo (como um deus?, que lisonjeiro, Sniqper!)? Ninguém mais quer ser virado do avesso e ter tonturas de impreviso pela via rápida do meu verbo? Pior para todos. Não pensem que me fazem aqui assinar um Tratado de Versalles que me humilhe só a mim. Os armistícios ou são cabais e justos ou não são. E a superiorite da Sniqper continua inflexível, contornando o entornamento do caldo e as ofensas a que de deu ao luxo para agora chegar e protestar um referência de merda que se lhe faça? Nem pensem!

É tão bom comentar aqui. Gosto de ser livre e não estar atado ao não ferir susceptibilidade e ao desculpem qualquer coisinha. Se não gostarem de mim, façam um abaixo assinado ou abaixo e-mailado, remetam-no ao Notas Tontas e poderei conformar-me a uma punição disciplinar, sei lá, seis pontos, baixar de divisão, exílio compulsivo em Timor, na Madeira. Qualquer coisa.

Beijos e muitos Caro Tiago e Caro Queer!

PALAVROSSAVRVS REX

Carol disse...

Bem, isto andou numa roda viva...
Sinceramente, e falo a título pessoal, porque é que os diferendos têm de ser resolvidos em casa alheia?

Tal como o Quin, também afirmo que não me meto em confusões alheias e adorava que elas não se metam comigo.

Alma Nova disse...

Considero que, viver em sociedade, longe de implicar a sujeição a regras estereotipadas e fingidas, deve seguir uma auto-regulação interior que implique a dualidade respeitar/ser respeitado. No entanto existem "supostos seres humanos" que deveriam ainda hoje pastar à porta da caverna onde parecem viver e percorrer todo o longo caminho até à mera civilidade. Como tal, não pretendo dispender mais tempo ou energia mental com quem ainda nem da Pré-História saiu.
Equipa do Notas, continuo a ler-vos como o tenho feito, mas abstenho-me de intervir num espaço onde tudo é permitido " a coberto" de uma aparente "amizade".

joshua disse...

Alma Nova, por quem és? "Sê sempre bem-vinda". Há sempre lugar para mais uma aqui, na caverna.

PALAVROSSAVRVS REX

quintarantino disse...

Vocês desculpem lá, mas eu vou ali ao outro recanto que tenho dar duas de prosa ... não me esperem para o café ... aliás, nem sei se volto!

joshua disse...

Carol, para quê valorizar um bate-verbo sem mais que se lhe diga?

Não sei por que se pode pensar que isto é uma casa própria e privativa? Estarei a enlamear de eu-mesmo o soalho de esta casa? Há tantos meses que sou o mesmo, sem Sniqper e com Sniqper, por que motivo há mais lama agora que no passado?

Vá lá, atrevam-se todos a ousadamente explicar-mo. Os arrufos e os amuos da Alma de Velha e da Sniqper são somente a mais mesquinha forma de chantagem não sei de quê ou de quem ou sequer para quê.

Ora, chantagear e levar a melhor seria inédito aqui, não achas Carol? Se também tu não gostas de mim, do meu desabrimento cavernícola, vá lá, diz-mo na cara virtual. Não é preciso fugir para o lado. Até parece que estamos aqui dois ou três pegados à bulha, sujando o ambiente, obnubilando o texto do Tiago sobre o Rui Alvez, e enlameando tudo. Mas porquê esse apropriamento e delimitação de um espaço que tem sido de todos há tantos meses, quase um ano?

Mostra-me a razão. Põe-me um freio. Coloca-me no meu sítio. Mostra-me o meu lugar e remete-me para lá. Põe-me em respeito.

Realmente, custa-me que as coisas não se clarifiquem, pois, para mim, os diferendos aqui gerados e por causa disto eclodidos, onde mais poderiam ser dirimidos? Na Lua?

Carol, gosto de ti como de uma irmã. Será que não vês a que preço se procura comprar a Paz?

Beijos.

PALAVROSSAVRVS REX

Notas Soltas, Ideias Tontas disse...

Strumming my pain with his fingers
Singing my life with his words
Killing me softly with his song
Killing me softly... with his song
Telling my whole life with his words
Killing me softly... with his song

Hi, yo yea yea. now this is wyclef refugee
el boogie up in here (doo dooo doo doo)
one time one time one time
hey yo L you know the lyrics!

I heard he sang a good song, I heard he had a style
And so I came to see him, and listen for a while
And there he was, this young boy, a stranger to my eyes

Strumming my pain with his fingers
Singing my life with his words
Killing me softly with his song
Killing me softly... with his song
Telling my whole life with his words
Killing me softly... with his song

I felt all flushed with fever, embarrassed by the crowd
I felt he found my letters, and read each one aloud
I prayed that he would finish, but he just kept right on

Strumming my pain with his fingers
Singing my life with his words
Killing me softly with his song
Killing me softly... with his song
Telling my whole life with his words
Killing me softly... with his song

WHaaaoooooo aoooooo whoaoaoao
lalalalalalaLALALALALALA ohohoh laaaaaa
LAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Strumming my pain with his fingers
(yes he was) Singing my life with his words
Killing me softly with his song
Killing me softly... with his song
Telling my whole life with his words
Killing me softly... with his song
strummin my pain. yeyeyeyeye

antonio disse...

Se consigo um espaço para falar, digo apenas, que o senhor em causa não faz parte da minha lista de palhaços madeirenses... sou muito exigente a esse nível!

NuNo_R disse...

Se o tal "senhor" não gosta e portugueses, tem duas coisas a fazer, que saia do territorio português e que mude de nacionalidade.

Senão que fique bem caladinho.


Parece que o nosso país anda cheio de gente "aparvalhada". Será que a culpa é do "tal" senhor viver somente rodeado por mar e não ter outro tipo de "horizontes"?!

:)

abr...prof...

joshua disse...

Bem, então, muito boa noite. Foi extraordinário prazer solipsar por cá. Espera por mim, Tarântulino, vamos lá jogar uma bilharada e talvez não voltar que isto está irrespirável.

PALAVROSSAVRVS REX

joshua disse...

Então? Nada?

João Castanhinha disse...

Ah...humm, e se eu escrevesse aqui qualquer coisinha?
Devo, não devo?
Que se lixe, olhe Joshua, gosto bastante dos teus textos, especialmente da sua frontalidade e da capacidade de exposição interna, qual Munch a pessoas que não conheçe, não sei se de forma autêntica,nem me interessa, mas os teus textos são para mim uma obra Expressionista no que ai temos de melhor e de pior para os nossos sentidos, é sempre um prazer que por vezes se torna algo doloroso ver a quantidade de angustia exposta por si metafóricamente impar sentidamente dolorosa, adjectivamente brutal.

O resto se resolverá, tudo sempre se resolve.
Bom, era só isso, e não se zanguem.

Já agora Tiago, a Madeira é uma ilha e quase quadrada, como o senhor alves, é o que me apraz dizer:)

Peace!

joshua disse...

Bolas, João, foi muito bom para mim teres dito Algo e, de tantos e de todos, logo tu com quem, num dia estúpido e sobre-expressionista, talvez por uma impressão-intuição exagerada minha, um dia me passei a sós!

Pois isto que acabas de escrever fica Aqui gravado e será sempre bem valorizado, enquanto retrato meu, porque é um retrato e um retrato comporta sempre a mestria, ou a falta dela, de quem o faz, de quem o tira! Revejo-me nele como Sampaio no de Paula Rego, João.

PALAVROSSAVRVS REX