Falta de aconselhamento

Afinal, o problema deste Governo é a falta de aconselhamento, falta-lhe uma empresa profissional de marketing político a colaborar com os ministros.

Seria de esperar que quando se trabalha com base em propaganda, ao menos as coisas fossem bem feitas e não se cometesse o erro básico que o Sr. Ministro da Administração Interna, Rui Pereira, cometeu.

Ao fazer uma cerimónia de homenagem (diga-se, uma justa homenagem) aos bombeiros que, ao longo deste ano, têm combatido os incêndios florestais, o Senhor Ministro aproveitou a ocasião para fazer a festa, lançar os foguetes e apanhar as canas; ou seja tratou de fazer tudo sózinho, sob o olhar do Sr. José Sócrates que foi só para ver o fogo de artifício.

Durante a cerimónia, Rui Pereira elogiou a melhor coordenação, a melhor prevenção e congratulou-se por terem existido mais meios, factores que terão, segundo ele, originado menos área ardida.

Quando questionado se o facto de as alterações que se sentiram a nível climático não teriam sido verdadeiramente o motivo do sucesso, respondeu que isso não era verdade e que a verdadeira causa foram as políticas governamentais para o combate aos incêndios.

Estava eu a ler esta noticia quando levei com uma da rádio: “Hoje estamos perante o dia com o maior numero de incêndios do ano”. E de seguida: “ Seis incêndios permaneciam por circunscrever às 15h45, quatro dos quais em parques naturais, segundo dados disponibilizados na página oficial da Autoridade Nacional de Protecção Civil“.

O que me leva ao erro básico do Sr. Rui Pereira que, ao fazer a propaganda e afirmar que tudo se deve às políticas governamentais, deveria ter-se previamente aconselhado sobre quando fazer a cerimónia e tais afirmações. Para dizer o que disse seria preciso um especialista para lhe dizer para esperar quando estivesse a chover, talvez lá para meio de Dezembro, isto é se o Inverno aparecer? Ou, no caso de não querer ouvir ninguém, ao menos uma espreitadela pela janela para ver como está o tempo?

Este tipo de propaganda faz-me lembrar aquele ministro da Informação iraquiano que fazia conferencias de imprensa onde afirmava que estava tudo bem e lá por detrás viam-se enormes colunas de fumo.

23 comentarios:

Carol disse...

Excelente post, como de costume! E essa comparação no final do texto está muito bem apanhada! Esperemos é que o nosso país não chegue ao ponto que chegou o Iraque...

bluegift disse...

A situação não deixa de ser cómica, mais valia ter centrado o mérito nos bombeiros, que bem estão a precisar. Mas verdade seja dita, 6 incêndios em parques naturais nesta altura do ano, depois de um Verão "normal" e com temperaturas inferiores a 30°... é, no mínimo, estranho... Será que o Marques Mendes anda a brincar com fósforos lá por aqueles lados? Cala-te boca... :P

Maria P. disse...

É o que faz deitar os foguetes antes da festa!

Excelente post.

Um bom dia.

quintarantino disse...

O homem não existe. Simplesmente.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Pois, Tiago, o homem não precisa de uma empresa de comunicação e marketing porque isso é o que não falta ao actual governo. E todas pagas com o dinheiro dos contribuintes. O que o homem precisa é de uma empresa de comunicação e marketing escolhida pelo curriculum e não por ser dos amigos. Então ela faria o trabalho como deve ser. Mas nós ficávamos pior porque a nossa capacidade de discernimento ficava prejudicada.

Fa menor disse...

Ora, isso é só fumo!... das canas dos foguetes, lol

adrianeites disse...

é verdade Tiago.. esse ministro era mesmo marado!

os politicios são mesmo oportunistas.. é obvio que não estamos preparados para o combate aos fogos.. basta ver as bermas das estradas---

sniqper ® disse...

Caro Tiago,
Como alguns de nós sabemos, felizmente, estes sucessivos governos estão preocupados muito mais com desculpas do que soluções.
Como dizes e bem, procurem no mercado empresas que se dedicam a trabalhar e gerir imagem, mas, e lá está o mas... se precisam de cuidar da imagem ou de programar soluções, então pergunto eu...Precisamos Deles? Não é a reposta.
Vamos então gastar as verbas que todos pagamos sob a forma de impostos, e contratar então empresas que trabalhem com conhecimento de mercado, talvez seja essa a solução, digo eu...

Joshua disse...

Também vi na televisão o Ministro. A sua voz nervosa e tremente gritava aos quatro ventos uma só coisa: sofreguidão de capitalizar um sucesso inexistente.

Há um nervosismo pelo Governo. Talvez por um «habituem-se» periclitante. Talvez porque a população só vê palhaços que a desconsideram.

Imagino muitas vezes o primeiro-ministro a dizer:«Odeio pobres, odeio, odeio, odeio.»

De facto, nunca o vejo entre o Povo ou à vontade entre a gente. É porque nada tem a perder. Com estas políticas, o País ficará mais rico. A população mais pobre. E brilha um futuro radioso a quem tanto favoreceu os já favorecidos.

Blondwithaphd disse...

I lost track of the times the firefighters were called yesterday here where I live! It's quite obvious that the policies to fight this seasonal catastrophe were very successful! Simple equation: if it doesn't burn in August it has to burn in November (as long as it burns it doesn't matter when)!

Condestável disse...

Men onde a fumo ha fogo...os gajos precisam de uma boa erva

7 Pecados Mortais disse...

As tuas últimas palavras referem sobre a actuação de um ex-ministro iraquiano e penso que escolheste o melhor exemplo. A única diferença dele para os nossos, é que os iraquianos viviam oprimidos por uma Ditadura e representavam-se por ela, os nossos dizem o mesmo, mas de uma forma mais leve, mais simpática, ou seja, com democracia!!

António de Almeida disse...

-Este Rui Pereira saiu-me pior que um moço de fretes. Mesmo que fosse ele o responsável, que não é, pela política de combate a incêndios, planificada ainda no consulado A.Costa, não lhe ficaria mal, reconhecer que o tempo até lhe deu uma mãozinha, e destacar o esforço, o espírito de sacrifício e abnegação dos seus homens, os bombeiros, e porque não, os militares da GNR destacados para esta área operativa. Um verdadeiro comandante destaca-se nestas alturas, e na modéstia com que presta declarações, Rui Pereira é mais um pau para toda a obra, alguém que entrou no supremo e passou para o ministério, se fosse militar não equivaleria a qualquer general, seria quanto muito o lateiro da unidade.

Mestre disse...

Mais do que aconselhamento acho que o maior defeito deste governo (assim como de anteriores) é mesmo a falta de senso comum.

Metamorfose disse...

Concordo plenamente com o comentário de cima, neste governo não existe bom senso, é com cada argolada...!!! Que até arrepia e nós cá estamos para ver...
Vocês estão aí com um verão atrasado e nós temos chuva a fartar.

Beijos.

NÓMADA disse...

Já não nos bastava Sua Excelência o Ministro Manuel Pinho e o deserto do Sr.Mário Lino ainda precisávamos cá deste.
Coitado. A profissão de Ministro anda pelas ruas da amargura.

NINHO DE CUCO disse...

Políticos e governantes competem na mediocridade e na falta de bom senso. E isto quando não têm outros pecados maiores.
Mas já agora deixo um reparo a Bluegift. Não fica bem a insinuação a Marques Mendes. Os comentários devem ser construtivos e ainda que se façam alguns ataques políticos, deverá haver limites éticos para as insinuações.

JOY disse...

Gostaria de perguntar a esse cromo quem está a pagar os 6 Helicópteros Kamov para combate a incêndios que custaram milhões de euros e que desde maio estão no aerodromo de Tires a apodrecer sem fazer um voo que seja,por ali brinca-se que darão optimos ninhos de cegonhas.Este cromo com tantos foguetes que lançou ,provavelmente algum iniciou a maior série de incendios deste ano .

Um abraço
JOY

antonio disse...

Tiago, eu não gosto de injustiças! Então tu não vês que o tempo aqueceu imenso e não tem chovido? É natural que surjam incendios...

Alma Nova disse...

Meu caro Tiago,
Esse é apenas mais um triste exemplar dos muitos que nos (des)governam e que se alimentam do que sai dos nossos bolsos. Palavras para quê? É apenas mais um Ministro Português!

Lampejo disse...

.....

O Brasil Tiago é campeão em queimada no mundo
E quando não chove piora a situação.

Agora o que ninguém pode ignorar o buraco de ozônio, o aquecimento global, as profundas alterações climáticas, etc.

Por isso temos mais é que ter esperança nos governantes que de uma forma ou de outra, ajudem a resolver tal problema.

(a) braços :)

C Valente disse...

*e só festa, estamos num país que dá para tudo, menos para o povo
Suadações amigas

João Rato disse...

E ainda há-de chegar o dia em que num deserto à beira-mar plantado dirão com a vaidade que lhes é própria:
Conseguimos, finalmente não temos incêndios florestais!