Levanta-te contra a pobreza e junta-te às vozes que pedem a sua erradicação

Mas não de levantes apenas hoje porque, no mundo, há 1.800 milhões de pessoas que aguardam que te ergas para que possam ter o mínimo indispensável para viverem. A cada dia que passa 50.000 morrem de pobreza extrema e o fosso entre ricos e pobres não pára de crescer. Não, não podes ficar sentado e indiferente quando, no teu próprio país, há dois milhões de pessoas que vivem com menos de 360 euros/mês, a desigualdade entre ricos e pobres é a maior da UE. Tens também uma taxa de pobreza superior à média da UE (16%) o que coloca Portugal na lista negra dos países desenvolvidos. É nas famílias numerosas e na população idosa que encontramos o maior número dos mais pobres em Portugal.
Mas há novos pobres, pessoas com emprego mas cujo salário não chega para as necessidades. E isto quando temos uma classe média a tender para o desaparecimento e as estatísticas do INE revelam ainda que, sem as pensões de reforma e as transferências sociais do Estado, mais de quatro milhões de portugueses estariam em risco de pobreza.
Por seu lado a presidente da Federação dos Bancos Alimentares contra a Fome, Isabel Jonet, garante também que há hoje mais pessoas a pedir ajuda alimentar do que em anos anteriores.
Estamos num mundo profundamente injusto em que a persistência da pobreza e da desigualdade não tem justificação. Somos a primeira geração que pode erradicar a pobreza. Existem meios, tecnologias, desenvolvimento suficientes para tal. Porém o crescimento económico espectacular gerado nos últimos anos não contribuiu para garantir os direitos humanos nem para melhorar as condições de vida em todas as regiões do mundo, nem para todas as pessoas seja qual for a sua condição, género, raça, ou cultura. Pelo contrário, aumentou a desigualdade e a injustiça. E tudo isto porque há falta de vontade política por parte dos Estados.
Em 2000, durante a assembleia geral da ONU, 189 chefes de Estado e de Governo assinaram a Declaração do Milénio que levou à formulação de 8 objectivos de desenvolvimento específicos, a alcançar até 2015, objectivos, estes que podem ser resumidos da seguinte forma:
1- Reduzir para metade a pobreza extrema e a fome. 2- Alcançar o ensino primário universal. 3- Promover a igualdade entre os sexos. 4- Reduzir em dois terços a mortalidade de crianças. 5- Reduzir em três quartos a taxa de mortalidade materna. 6- Combater o VIH/SIDA, a malária e outras doenças graves. 7- Garantir a sustentabilidade ambiental. 8- Criar uma parceria mundial para o desenvolvimento. Passaram-se cinco anos e os líderes políticos continuam a não cumprir as suas promessas. Por isso, sob o lema “Pobreza Zero”, surge uma campanha que apela à sociedade para que se mobilize, actue e pressione os líderes políticos, e exija, como primeiro passo para a erradicação da pobreza, o cumprimento dos ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio). Em Setembro de 2005, a Assembleia Geral da ONU apresentou um relatório sobre o grau de cumprimento e incumprimento relativo aos ODM, durante a cimeira do Milénio e onde está patente a vontade dos países em envolver-se na luta contra a pobreza global.
Segundo dados da "Global Call Against Poverty" (designação internacional da campanha "Pobreza Zero"), a manter-se este estado de coisas, cerca de 45 milhões de crianças morrerão; 247 milhões de pessoas na África subsariana terão de sobreviver com menos de um dólar por dia, e mais de cem milhões de meninas e meninos continuarão sem ir à escola. Na resolução final da cimeira extraordinária das Nações Unidas, que decorreu em Nova Iorque, de 14 a 16 de Setembro, estes números ficaram sem respostas concretas e metas quantificáveis. Mais uma vez ali se reafirmaram compromissos anteriores, aprovaram listas de boas intenções e se inscreveu na história da ONU uma nova oportunidade perdida ou um recorrente fracasso.Quando o mundo se confronta com ameaças globais que vão do terrorismo à degradação ambiental, da proliferação nuclear à insegurança alimentar ou a novas pandemias, a pobreza extrema representa o fenómeno mais ilustrativo da incapacidade dos diversos poderes ou classes dirigentes para colocarem como prioridade o primado do direito de todos ao desenvolvimento.
Chegou, pois, a hora dos discursos se transformarem em soluções práticas. Não podemos ficar indiferentes ou ignorar que uma pobreza irreversível ganha cada vez mais terreno, nos envergonha e diminui como seres humanos.
Estás ainda sentado? Levanta-te!

91 comentarios:

quintarantino disse...

Caríssima, traz-nos hoje uma das vergonhas dos nossos tempos. a pobreza.
Que, como bem assinala, cresce galopantemente nalgumas regiões e países. Por estupidez das opções políticas, por ganância do capitalismo selvagem, sem rosto, das multinacionais que andam como gafanhotos a sugar o tutano das sociedades e a juventude das suas gentes...
Ao lado dos fenónemos de pobreza clara e vivida à vista de todos, existe a dita pobreza envergonhada de quem precisa mas não pede, de quem precisa mas não é ajudado.
E nestes tempos que corremos são cada vez mais as famílias e indivíduos que depois de terem vivido a ilusão que uma aparente subida na escala social (seja lá isso o que seja) se vêem agora sugados para o abismo dos que têm cada vez mais mês no fim do ordenado.
Aqui sim, apetecia gritar "às armas" ou que um Che, versão sem os pecados que cometeu, viessem para ajudar à revoluçao. Temo, contudo, que anos de feroz individualismo tenham transformado muitos de nós em seres amorfos. Por isso, se hoje algumas dezenas desses se ergurem, teremos vencido uma batalha.

SILÊNCIO CULPADO disse...

QUINTARANTINO
Eu acredito no ser humano. Em todo o ser humano.Há excepções mas não são a regra. No meio da nossa alma tempestuosa há também um capital de afectos e generosidade. É preciso apenas saber lá chegar. E os poderes instituídos, os interesses selvagens de um capitalismo selvagem castram as pessoas para que percam o viço. É pois preciso pressionar os governos e os poderes. As inscrições para hoje superam largamente as do ano passado. Em todo o mundo há mais de 24 milhões inscritos. E seremos mais à medida que se for tomando consciência que a maior riqueza não está na posse obsessiva da coisas mas no desprendimento.

Crítica e denúncia disse...

Ô querida Silêncio Culpado, conseguistes emocionar-me. Somos conscientes desta miséria mas muitas vezes nos perguntamos o que fazer, como fazer e por onde começar? No forum econômico de Davos em 2003 o presidente Lula lançou o desafio a todos os gorvernos mundias para retirarem 1% de suas economias para acabar com a fome. Todos olharam-no com olhos assustados sem entender. Nós temos no Brasil o programa "fome zero" que ajudou nestes últimos anos a erradicar uma boa parte da miséria no nosso país. Mas necessitamos pensar em cifras globais.Você imagina o quanto todos juntos poderíamos fazer? Que temas importantes tu buscas. Parabens ! Este teu trabalho nestes blogs tem um profunfo senso humanitário. Te admiro sem te conhecer. Beijo

7 Pecados Mortais disse...

É verdade. Tínhamos que aderir à causa também. Daí juntamos as nossas mãos às tuas. Um abraço de 7 pecados mortais e de Valores Portugueses. Beijos.

ANTONIO DELGADO disse...

amigo Notas Soltas,
aprecio as referencias que o amigo expressa no blog, mas comove-me muito ver, por exemplo, no supermercado quando estou na bicha para pagar, pessoas a comprarem, bandejas de miudos e pernas de galinha couratos ou desperdicios de embutidos. Serem gordas e quando nos dirigem a palavra terem poucos dentes ou cariados e um olhar completamente encardido por humilhados que são pela vida? ou Ver na rua quantidade de pessoas a pedir ou a arranjar esquemas para sobreviverem, sujos e a dormirem sobre cartões e pelas esquinas e sem habitos de higiene?
e ver do outro lado os maires
...doi a alma e para essa dor não há infelizmente terapias.

Um abraço
António Delgado

al cardoso disse...

Uma das formas de combater a pobreza, e evitar o desperdicio. Fico imensamente triste quando um pais como o nosso que ja se encontra dentro dos mais desenvolvidos, tem 1 quinto da populacao pobre!

Estou solidario e contribuo com uma pequenissima parte.

Um abraco d'Algodres.

Tiago R Cardoso disse...

Para começar trata-se de um excelente texto que se publicou aqui no Notas, com uma assunto que como disse se devia falar mais vezes e não só uma vez por ano.
Infelizmente esta nossa sociedade dita "desenvolvida", tem tendencia a esquecer-se de certas vergonhas, sendo a da fome a maior.
A mim e se calhar a muita gente faz confusão como é que existindo tanta pobreza e fome nuns lados pode existir tanto desperdício noutro.
Só um rápido exemplo, quando as cotas da produção de algum produto são ultrapassadas, como a maçã, o excedente é simplesmente destruído, é verdade destruído...
Neste nosso mundo civilizado que de humano já começa a ter pouco, vivemos numa sociedade de "plástico", onde valores como a ajuda, a partilha já pouco contam. Hoje já estou a imaginar os responsáveis sejam nacionais, sejam internacionais a aparecerem junto dos pobres, a pousarem para a fotografia, a dizerem palavras bonitas, mas eu só digo que palavras bonitas não enchem a barriga a ninguém, servem a apenas para tentar encher a cabeça do cidadão. O que se pede é acção, é preciso tomar medidas, é preciso agir, é preciso erguer a voz contra esta vergonha da humanidade, é preciso que todos se levantem.

NINHO DE CUCO disse...

Levantemo-nos pois Tiago. Levantemo-nos com todos os que aqui comentaram provando que há capital humano para se fazer melhor. O mundo desumanizado não é irreversível. É só preciso que as pessoas percebam que a felicidade não se compra, constrói-se. Não há bens materiais que satisfaçam. Queremos sempre mais. Mas as coisas simples e as solidariedades essas sim enchem-nos a alma.

adrianeites disse...

urge fazer algo..
(acabi agora de postar sobre ieste tema no guardião)

lol

Menina do Rio disse...

Vamos ser realistas!!

A solução pra acabar com a FOME E MISÉRIA existe, mas não baseada nestas campanhas demagogas criadas por políticos com o intuíto de se eleger. A pobreza é a mais antiga das mazelas do mundo! Não se combate com campanhas! E muito menos com a passividade dos desprivilegiados! Os donos dos latifúndios não vão abrir mão de suas riquezas adquiridas muitas vezes de forma ilícitas; isso é irreal! Temos que nos dar conta que somos todos filhos do Universo e que este não conspira contra uns e a favor de outros. temos que ensinar o povo a pescar e tudo que estamos tentando fazer é botar um prato pronto diante deles. A comida de hoje não sacia a fome de amanhã, porque esta fome é de dignidade, de objetividade, de luta e de fé em si mesmos! Vamos sim, resgatar a força e a confiança desse povo sofrido, ensinar-lhes a acreditar que podem tanto quanto acreditam que não podem!
Desculpe-me, mas esse é o meu pensamento e achei-me no direito de expressar.

Beijinhos

JOY disse...

Olá carissimos amigos ,
Junto-me a vocês com o maior prazer e consciente da importância deste dia que, não deveria ser uma vez por ano mas sim todos os dias, a pobreza é uma chaga que na maioria das vezes os politicos tentam esconder ,como se fosse possivel ,a solidariadade é uma atitude que deve estar sempre presente em nós e não dói nada .

Um Abraço
JOY

migvic disse...

Sou solidário com a causa, mas também pouco posso fazer além de falar ou escrever sobre o assunto.

Sabemos que o planeta tem recursos naturais para alimentar toda a população mundial.

A mesma atitude que temos quando, indiferentes, passamos diariamente por alguém que pede esmola, é a mesma que têm os os senhores que governam o mundo e que poderiam fazer a diferença.

O que interessa é aquilo que nós, pelo menos hoje podemos fazer.

adrianeites disse...

no guardião escrevi assim:~

eu bato na mesma tecla de sempre..

este ano dei 45€ à unicef.. dei 5€ à "Arca da vida".

30€ por trf bancária directa e 15€ porque tinha pontos tmn e optei pelo donativo á unicef em detrimento de chamadas ou sms!

fazendo contas: em portugal somos +- 5 500 000 de pessoas ... a 10€ por pessoa teriamos 55 000 000€ por ano o que ajudava a combater muitas assimetrias...

até ao final do ano ainda espero dar mais alguma coisita! e muita mais gente pode dar mais do 10€ por ano...

não dei muito..mas esse dinheiro serve para alimentar algumas crianças por exemplo durante algum tempo!

dar estes donativos é a meu ver uma obrigação de cada um.. independentemente do valor...

claro que os países + desenvolvidos não cumprem com as suas obrigações mas também temos de ver que os países somos nós, as pessoas..

não estou aqui com falsos moralismos.. nada disso.. todos temos responsabilidades..


desculpe.. alonguei-me!

cp's

Teresa Durães disse...

voltarei para ler melhor. de qualquer modo acrescento que o grande mal da pobreza a nível mundial deve-se ao famoso G7+1 e há Europa que, para venderem mais, negam-se na troca de políticas

abraço

PTT disse...

Excelente
SOLIDÁRIO...

Abraço

PS. Vou compilar o texto.

Carol disse...

De pé, tiro-te o chapéu!
Parabéns pela coragem que demonstras ao tocar em temas tão marcantes, em nos abanar e acordar do marasmo em que vivemos.

Zé Povinho disse...

A fome deriva sobretudo da má redistribuição da riqueza gerada. Aí os dirigentes políticos têm a sua parte de responsabilidade. Os cidadãos, todos nós, temos as nossas responsabilidades, nas escolhas que fazemos, no que desperdiçamos, e no que calamos. A fome e o desemprego são duas chagas sobre as quais falarei sempre, enquanto me for possível.
Gostei da abordagem de hoje.
Abraço do Zé

Carminda Pinho disse...

Estou solidária.
Abraço

Marco Santos disse...

Parabéns pelo texto. Agora resta acção diária, e para além da pressão aos orgãos de poder, que tal irmos distribuir umas sopas ou contribuir para associações que o fazem.

Crítico disse...

Silêncio Culpado expões aqui umas das feridas maiores da nossa sociedade. Como é que é possível que a "besta" do ser humano, e desculpem-me o termo, ainda não tenha erradicado a pobreza de vez. Com todos os meios modernos ao nosso dispor. Os líders preferem derreter dinheiro em guerras e na busca de mais poder. Entristece-me.
Cabe aos mais fracos, àqueles que pouco poder têm, mover-se, "fazer das tripas coração".
Sim, vamos continuar de pé!

martelo disse...

parece-me que para alem do contributo individual que isoladamente pouco adianta no conjunto, todos nós temos a obrigação de exigir, de "controlar", de "punir" os políticos que elegemos; são eles que utilizando o poder que lhes "concedemos" fazem o uso mais errado da decisão e são estes que hipocrita e "maldosamente" criam as maiores desigualdades e as maiores injustiças...foi e será sempre o detentor do poder que organiza a distribuição injusta.

as-nunes disse...

Combata-se o desperd�cio!
Fomente-se uma melhor e mais justa redistribui�o da Riqueza!
Que n�o seja sempre os mesmos a pagar as Crises! (Quantas delas artificialmente criadas para alimentar meis uns quantos tubar�es...).
Bom...deixa-me ficar por aqui. N�o queria voltar aos chav�es Revolucion�rios! Mas que � preciso uma verdadeira Revolu�o das memntalidades por todo o Mundo, l� isso �.
URGENTEMENTE.
Um abra�o
Ant�nio

ALEX disse...

Já estou levantado. E até nem consigo engolir o que estou a comer com a intensidade do texto.

DS disse...

Estou convosco nesta marcha contra a pobreza, a desigualdade, e a ignorância. Faço desse lema a minha vida e todos os dias que saio de casa tento oferecer nem que seja um sorriso. Tal como tu, acredito no ser humano e as minhas escolhas diárias, porque ninguém é escravo de ninguém, reflectem essa preocupação. Escolho a minha profissão, vocação, alimentos , palavras em função de um ideal em que acredito, que é levar o ser humano a ter uma maior consciência de si próprio, dos outros e do mundo. Assim estou contigo e faço desta contribuição a minha obra de cada dia.

O Árabe disse...

Fantástico post, amiga! Guardadas as proporções, talvez a situação aqui no Brasil seja ainda pior do que em Portugal; mas a pobreza, com certeza, já é um problema no mundo... e a violência é uma das suas consequências. Precisamos, realmente, dar um basta a esse absurdo!!!

C.Coelho disse...

Às vezes passeio pelos blogues que dizem coisas interessantes. O Silêncio Culpado é um trajecto obrigatório quando quero ler.Estou siderado com a beleza do texto e dos comentários que aqui estão produzidos e acredito que mais dia menos dia darão o seu fruto. Eu sempre parecerei para corresponder aos vossos apelos. Sou velho e pobre mas sempre se arranja alguma coisa para se dar quando se tem vontade.

Carreira disse...

Estou solidário com este movimento que não deve dar tréguas aos governantes mundiais.
Também já fiz um alerta no Cegueira Lusa para esta maleita difícil de extinguir.

Méon disse...

Menina do Rio tem razão!
Só o levantamento dos pobres contra os poderosos pode erradicar a pobreza.
O resto é "conversa de padre" para nos fazer sentir culpados e "rezarmos",e fazer campanhas, e dar os pobrezinhos da nossa rua...

O que é feito da REVOLUÇÃO ?
Não tenhamos medo das palavras!

O que vai acontecer é que daqui a ums décadss, o Ocidente, afogado em conforto e demograficamente depauperado, vai ter de dar, queira ou não queira, o que tão ciosamente guarda. Milhões de famintos estão às portas da Europa... e da América! Bem pode o sr. Bush mandar erguer muros na fronteira do México!

SILÊNCIO CULPADO disse...

Para todos os comentadores a certeza de que este grito solidário há-de fortalecer e há-de ser mais que um grito. Porque nós estamos vivos, estamos aqui e acreditamos que é possível fazer melhor. Os comentários aqui expressos têm uma validade que não morre com eles.


PARA A MENINA DO RIO
que manifestou uma opinião que ela pensa ser discordante, conforme nota que deixou no blogue Silêncio Culpado, eu quero salientar o seguinte:
Contrariamente ao que possa pensar eu gostei muito da sua opinião. É a opinião de uma pessoa esclarecida e que sabe o que quer. E é também a opinião de uma pessoa que sente com particular acuidade os efeitos das injustiças, o que é legítimo.
No entanto é através de acções de congregação de sensibilidades, e de acrescento de opiniões, que se criam as bases para as grandes mudanças. Não se procura aqui dar visibilidade a uma consciência de elites que se satisfaz através de exercícios de solidariedade enquanto uma parte do mundo continua a sofrer e a morrer pelo facto de haver uma má distribuição das riquezas. Quando se parte para um grito, como o que pretendemos aqui consolidar, tem-se a consciência que para uns não morrerem à fome outros terão que abater gorduras. Não está pois em causa a prática de caridades que nos diminuem nem de exibicionismos que nos ridicularizam. O que eu penso, e cada vez mais, é que há que ganhar pessoas para as causas e que não se ganham pessoas pela violência. Muitas das pessoas que têm vidas vazias e individualistas poderiam ser diferentes se outras fossem as circunstâncias. Dêmos-lhes pois essa oportunidade. O amor não se semeia sobre os alicerces do ódio. A violência gera violência e a paz só se consegue quando termina a guerra.

NÓMADA disse...

O Blogue Valores Portugueses vem solidarizar-se com Notas Soltas, Ideias Tontas neste grito que, de uma forma sentida, os diferentes comentadores vão por aqui deixando.
Um abraço a todos

antonio disse...

A menina do rio não deixa de ter razão. Eu uso a arma do meu voto contra esta corrente que defende que em noem da globalização e dos 3% estamos condenados à pobreza (pelo menos se não formos filhos do Jardim Gonçalves).

quintarantino disse...

Menina do Rio: permita que me endereçe pessoalmente a si e isto sem qualquer desprimor para qualquer uma das outras pessoas que aqui vieram hoje (ou vêm todos os dias comentar).

Registo, com apreço, a sua visita. E a constataçao que faz de que há solução para a FOME e a MISÉRIA levam-me a acreditar estar ante pessoa inconformada e não rendida aos valores do consumismo e plutocracia que nos regem.

Vai-me perdoar, mas a minha discordância começa quando diz que a pobreza não se combate com campanhas. Combate, sim senhor.
Eu, enquanto cidadão, posso dar o meu contributo dessa forma, aderindo a campanhas de doação de alimentos, de participação no movimento associativo enquanto voluntário... ou obrigando a, através da minha junção à sua voz e à de muitos mais, os poderes a mexerem-se.

Tem razão quando diz que o Universo não conspira a favor de uns e contra outros, pois isso seria aceitar o fatalismo do destino, mas tem de convir que as circunstâcias sociais marcam profundamente o destino de cada um. E a Menina do Rio tem aí, ao pé, exemplos suficientes quanto a isso.

"Temos que ensinar o povo a pescar e tudo que estamos tentando fazer é botar um prato pronto diante deles" - pois temos, mas enquanto se ensina, o povo come o quê?

No resto subscrevo quando diz que temos de "resgatar a força e a confiança desse povo sofrido, ensinar-lhes a acreditar que podem tanto quanto acreditam que não podem", agora se vai ser através da revolução (e essas geralmente acabam em merda) ou pela luta política, logo teremos de decidir.

No resto, caríssima, nem precisa de pedir desculpa pelo seu pensamento, nem por ter vindo aqui expressar o mesmo.

Se reparar, é disso que andamos à procura.

Crítica e denúncia disse...

Desculpe voltar para responder à menina do Rio: amiga, vi claramente na sua passagem pelo meu blog que você não gosta da minha posição política. Compreendo e aceito ! É seu direito.Queria dar uma palavrinha a ti, aos visitantes e à esta flor silenciosa e culpada da qual sou admiradora: meus amigos, dizer que "ajudar" é esmola e que necessitamos "ensinar a pescar" é pura demagogia. Eu respeito o direito de expresão de cada um, mas será que alguém já parou para pensar o que é a fome? E que a fome em estado avançado tira a vontade de pescar? Quem já passou fome pode muito bem entender que a pessoa luta até certo ponto e depois cai numa míngua total, sem força para recomeçar. Dar ajuda social para que a pessoa se reabilite não é esmola. É o mínimo que os governos podem fazer "ajudar a encorajar a vida para que depois a pessoa possa voltar a pescar". Esta é uma verdade baseada na insatisfação humana vista pelo aspecto positivo. Quando alguém recomeça a ter forças e acreditar em si mesmo, a insatisfação natural humana faz com que a pessoa queira ir mais além.Com esta desculpa de ensinar a pescar é que todos os governos até hoje fecharam os olhos paa a miséria do mundo.Vamos deixar de lado as desculpas e vamos fazer alguma coisa pelos miseráveis, por favor ! Beijo querida silêncio e desculpe o desabafo. Vou colocar no meu blog uma continuação da tua menssagem. Alda

Anónimo disse...

Solidária com tudo aquilo que aqui é dito e sentido
Muito há a fazer ... mas sem união...jamais conseguiremos...

Excelênte post
Parabéns
Mi(Um Momento)
(*)

Olhos de Mel disse...

Que mundo é esse?

Ah mundo desigual, onde tantas barbaridades acontecem! Triste se viver num mundo assim. Quantas atrocidades, quanta violência, quanto desamor! Esse não foi o mundo deixado pelo Senhor, onde as pessoas se dividem por raça, cor, cultura, educação, sexo, e poder econômico. Ainda existem os que reclamam que a vida é difícil, mas difícil ainda é ter que conviver com tudo isso, quando essas situações vão de encontro a sua maneira de ser e pensar.
Estamos chegando num ponto, onde a discriminação é tamanha, que o próprio negro, a maioria das vezes, quando consegue ultrapassar a barreira financeira, não busca em sua raça, a companheira. O branco, se sente credenciado a ocupar os melhores espaços e relegar os irmãos de cor. O pobre, sem condições de um mínimo de decência pra viver e sustentar a família, mendiga, invade ruas, se marginaliza, no afã de obter um pão, ou, a “droga”, que lhe faz sentir, (ainda que por instantes), o gosto do poder. O homem que se arvora da força e de uma suposta autoridade perante a mulher; maltrata, espanca, violenta, reprime... A intolerância religiosa; cuja prepotência dizima multidões, que não comunga de suas ideias. Os que se acham mais cultos e chegam a ter orgasmos mentais, ao julgar os demais incompetentes, burros... Os homossexuais ridicularizados e ultrajados pelos "ditos machões" e até mesmo pela sociedade hipócrita. O preconceito profissional, especialmente contra a mulher. Os ricos... ah! Esses? Donos do mundo, compraram-no, com suas armas poderosas; aquelas que mobilizam pessoas, movem montanhas, destroem a humanidade, Nações e, que considero o pivô de tanta miséria por aí afora. E tantos outros...
Preconceito maldito! Que afasta as pessoas, que segrega, que já foi motivo de verdadeiras atrocidades, pelo mundo.
Não obstante, nessa sociedade tão desigual, ainda somos ultrajados em nosso direito mais básico; o de ir e vir, uma vez que já não se tem o mínimo de segurança, pois os marginalizados, afrontam-nos, com aparatos que assustam a própria polícia. Esses, frutos, também da discriminação social e do abandono, não só das famílias, bem como das autoridades competentes.
Muitas lágrimas o Pai deve derramar, ao ver que nada foi entendido, nada foi valorizado. Alguns pedem socorro, outros, que não estão nem aí e aqueles, que em suas supremacias, fazem questão de perpetuar o preconceito. Felizmente, ainda existem pessoas que lembram, de elevar o pensamento numa prece, pelos discriminados, pelos que sofrem todo tipo de preconceito, pelos que estão perdidos em suas caminhadas e se sentem de alguma forma, superiores aos demais; por um mundo melhor, onde todos tenham como objetivo principal a paz, a tolerância e a respeitável convivência, entre todos os povos do universo, de forma igualitária.
Diga não ao preconceito! Se cada um fizer a sua parte, formaremos um contingente enorme de multiplicadores do pensamento igualitário, contribuindo assim, para um mundo mais harmônico, mais feliz.

Esse é o meu grito de alerta, um grande beijo.
Obrigada pelo carinho!

sombra e luz disse...

Venho solidarizar-me com os milhões de seres humanos condenados a viverem e a morrerem de fome... perante a indiferença e algum desprezo dos poucos previligiados que consomem 4/5 da riqueza mundial...
Mil anos que vivesse não me habituaria a esta ideia...
De pé ó vitimas da fome...
De pé!!!

quintarantino disse...

Sábias palavras.
Todas as que aqui têm sido proferidas.
Não se esqueçam jamais da dialéctica hegeliana. À tese opõe-se uma antítese e do confronto sai a síntese que logo se transforma em tese...

António de Almeida disse...

-Encontrando-me em viagem n�o tenho tempo para um coment�rio muito extenso, at� porque a liga�o � net que estou a utilizar deixa muito a desejar. Estou inteiramente de acordo que a luta contra a fome e a pobreza deveriam ser o grande des�gnio da Humanidade para o s�c. XXI, atinge n�o s� os pa�ses do 3� mundo mas causa efeitos colaterais aos pa�ses desenvolvidos, como explico no post que hoje publiquei. Seria dificil hoje n�o abordar este tema, mas todos somos poucos!

elvira carvalho disse...

Eu penso que a irradicação da pobreza, não se consegue com campanhas. Ou só com campanhas. Porém penso que elas podem ajudar a vários niveis. Ajudam quando conseguem alimentos. Porém essa ajuda só não chega. Porque quem precisa precisa sempre e quem ajuda, ajuda quando pode. Mas as campanhas ajudam doutra maneira. Fazendo denúncias, alertando consciências. Criando um mal estar e uma animosidade aos governos que os leve a agir. Nem que seja para não perderem o poleiro, se a pressão fôr muita, eles vão fazer alguma coisa. E também se pode agir a nível da educação e formação das crianças de modo a que as próximas gerações sejam mais conscientes e solidários, e façam nascer uma sociedade mais justa.
Um abraço

Vladimir disse...

Blogue Vladimir da Lapa exprime a sua total solidariedade para com esta questão, onde a par de uma abundância ímpar existe uma pobreza extrema. Há que investir cada vez no estudo e solução deste problema, porque não é apenas uma questão de países subdesenvolvidos, mas de todos os países sem excepção, para tomar consciência de tal facto basta ler as notícias de hoje para ficarmos a saber a triste posição de Portugal nesta matéria.

M.M.MENDONÇA disse...

Senhor Notas Soltas eu estou levantado e com lágrimas nos olhos. Não sei que diga mas ler este texto é como apnhar um murro no estômago. Temos que ser solidários e empenharmo-nos na mudança.

Sol da meia noite disse...

Pois se as teorias em forma de discurso, de nada servem, levantemo-nos todos... a um só tempo!!!
*

Boris disse...

Este dia internacional da erradicação da pobreza se outro mérito não tiver serve para deitar à cara dos governantes a sua incompetência e a sua responsabilidade na morte de milhões de pessoas em todo o mundo e da miséria extrema de muitas outras. Eu levanto, grito até ficar roxo e aplaudo o autor do texto magnífico que aqui se apresenta. Já conhecia este blogue mas agora ainda me atrai mais.

Boris disse...

Este dia internacional da erradicação da pobreza se outro mérito não tiver serve para deitar à cara dos governantes a sua incompetência e a sua responsabilidade na morte de milhões de pessoas em todo o mundo e da miséria extrema de muitas outras. Eu levanto, grito até ficar roxo e aplaudo o autor do texto magnífico que aqui se apresenta. Já conhecia este blogue mas agora ainda me atrai mais.

Fa menor disse...

Sabes, já tinha pensado levemente neste tema para a minha PAT, agora decidi-me. É sobre isto mesmo que me vou debruçar - pobreza.
Obrigada pelo texto. É bom existirem pessoas que dêem voz a causas nobres.

[Mas em que classe clssificar uma família que se vê obrigada a sobreviver... proporcionar um futuro digno a cada filho... à custa do património?!]

Tiago R Cardoso disse...

De tudo isto o que se retira é a vontade bem expressa por todos os que têm passado por aqui em debater o tema, sejamos ou não políticos, sejamos ou não "intelectuais", parece-me que somos todos cidadãos interessados na troca de ideias, num excelente e preocupante assunto lançado, muito bem, pela Silencio Culpado.
è para mim uma honra e extrema alegria participar num grande momento da blogosfera.

João Rato disse...

A teoria neo-liberal tem-nos impingido a ideia de que é necessária a criação de riqueza para acabar com a pobreza. Ora, bastaria que os decisores políticos tivessem vontade de implementar a distribuição da riqueza existente para erradicar a pobreza. Não é com os ricos mais ricos que os pobres serão menos pobres! Não é com esmolas nem com cimeiras, nem com expressões de intenções: é com actos políticos independentes do poder económico.

Rafeiro Perfumado disse...

A malta até se levanta, mas não é por aí que a coisa vai ao sítio. Enquanto a peidola das pessoas importantes teimar em não se levantar, preferindo corridas ao armamento, disputa de quem é que fica com o solo da Antártida e outras incoerências, bem podemos morrer de pé. Mas louvo-te a iniciativa...

Fa menor disse...

Eu até me levanto... mas são só os pobres a dar a cara pelos pobres...! É como um cego a guiar outro cego!!! Não cairão os dois no mesmo fosso?!... Mas não sejamos pessimistas, hão-de ser encontradas soluções... eu pelo menos vou tentar!

Aorta disse...

Eu já estou de pé, não só em solidariedade convosco como também para aplaudir o que disse a Menina do Rio. Mas os senhores governantes vão levar algum tempo até se levantarem.
Enquanto houver riquezas mal distribuídas, desperdícios e guerras sem sentido, a pobreza continuará. Não duvido que as campanhas ajudem, mas não resolvem. Eu não nasci pobre, mas de um dia para o outro (porque os acidentes acontecem) a minha família desmoronou-se e caiu no fosso da pobreza. Ainda assim, para tentar combater a pobreza, ajudávamo-nos uns aos outros e ainda ajudávamos os que eram mais pobres do que nós. Fizemos por nós próprios, ninguém nos deu nada de mão beijada e acreditámos sempre que um dia íamos conseguir dar a volta por cima. E conseguimos. Hoje, vivemos com dignidade e ainda continuamos a ajudar quem precisa da nossa ajuda, para também eles acreditarem que são capazes.

turbolenta disse...

Também não podia ficar indiferente a esta postagem.
Mas lamento profundamente que os governos não tomem as providências necessárias para a erradicação da pobreza e ...antes pelo contrário...
Falta de emprego e aumentos constantes de bens de primeira necessidade, também não ajudam nada!
Cada vez que há uma campanha para isto e para aquilo...lá vou eu, com a minha solidariedade e , dentro das minhas possibilidades, ajudar quem precisa ou me pede.
Mas não podem ser sempre os mesmos a ajudar.

Quantos dos muito ricos se dispõem a ajudar seja quem for?

quanto mais têm mais querem !.

Desdenham da pobreza e pisam os pobres.
Exploram-nos em questões de trabalho, justamente por saberem que eles são pobres, que nada têm, e se se governavam com muito pouco, também se podem governar com pouco.
Daí os míseros salários que pagam( e quando pagam).
Quanto mais ricos são menos escrúpulos têm.
Tenho uma amiga que nada pede, mas a quem eu ajudo tanta vez.(e eu possa).
É a pobreza envergonhada!
Pois ela mesma , pessoa muito simples e humilde, dedica-se de alma e coração a ajudar os pobres em voluntariado( 2 vezes por semana vai para a cozinha de uma associação que serve refeições a necessitados.)
Pois ela,pobre como é, nem lá come, pois diz que os pobrezinhos precisam mais que ela.
Gosto de ajudar mas não para me agradecerem ou saberem que ajudo. Apenas porque acho que devo.
Depois...
Sei que há uma instituição a quem são dadas, diáriamente, centenas de quilos de alimentos frescos(hortaliças por exemplo)
Levam-nos para os armazéns e...muita dessa comida acaba por sair de lá para o caixote do lixo, porque não é distribuída assim que a recebem.
Eu até acho que se houvesse mais organização por parte destas entidades, os pobres, pelo menos nas grandes cidades, não eram tão pobres.
Mas não consigo achar solução para esta dramática situação.
boa semana

quintarantino disse...

Àqueles que parecem ainda não ter compreendido uma pequena questão na ideia da nossa amiga comum, Silêncio Culpado: o cerne não está em dar de mão beijada (o que parece muito perturbar alguns), está em dar aquela, repito, AQUELA, ajuda que, às vezes, pode marcar a pequena diferença entre o assomo de um novo futuro ou o mancar no abismo.

quintarantino disse...

Cara amiga Turbolenta, diga à sua amiga o quão a louvo. Do fundo do coração.

E.Adriano disse...

Cumprimentos antes de mais.



Também eu quero participar e levantar-me convosco contra a pobreza.
Portugal está no topo da classificação europeia, no entanto são os paises de Africa onde existe mais fome e miséria.
Bastava uma pequena percentagem (como se diz agora)de solidariedade.

Até á proxima, cá voltarei brevemente....



.....

Maria Faia disse...

Olá Amiga,

Aqui estou respondendo ao teu convite. Na verdade, lutar contra a pobreza não se subssume exclusivamente ao nosso grito de revolta. Infelizmente, atenta a escala mundial deste flagelo, a única forma, ou aquela que a meu ver seria mais adequada, seria os países ricos deixarem de lado a hipocrisia e olharem para a miséria de que o mundo padece. Não com perdões de dívidas que só servem, muitas das vezes, para encher os bolsos dos governantes e outros que tais, mas sim pelo desenvolvimento de acções concretas tendentes a criação de emprego, desenvolvimento de países subsdesenvolvidos, habitação, saúde, educação para todos.
Isto faz-se gastando dinheiro e não arrecadando dinheiro...

Um abraço amigo,

Maria Faia

alf disse...

Combater a pobreza não tem nada a ver com dinheiro. A pobreza também não se mede em dinheiro - muitas zonas de África consideradas profundamente pobres não são nada pobres: as pessoas nada têm mas também de nada precisam. Eu estive onde diziam ser uma das regiões mais pobres do mundo e senti-me, como as pessoas que lá viviam, no paraíso.

Esta questão ataca-se pela igualdade de oportunidades e luta contra a corrupção.

Em Portugal há muita pobreza porque não há interesse genuino em fomentar a igualdade de oportunidades - isso exigiria um forte programa de pré-escolar e uma assistência social forte como a francesa. Mas isso não interessa porque, no fundo, as pessoas querem que os seus filhos tenham mais oportunidades que os filhos dos outros... e vêm na corrupção uma oportunidade...

é esta maneira de pensar que tanta gente ainda tem que gera a pobreza.

Mas apoio estas iniciativas, é preciso que não passe despercebido o problema

Anónimo disse...

Não sou ninguém apenas alguém que anda por aí sem eira nem beira e cada vez mais pobre. Gosto de ver o que dizem os blogues e vi que havia aqui uma concentração contra a pobreza. Quem com mais legitimidade do que eu para gritar? Ai, ai, ai ai que me estão a matar.

Joshua disse...

Meditei imenso sobre a Pobreza hoje, pelo que tenho visto e lido, e tinha toneladas de coisas a dizer, Silêncio.

Infelizmente, estou de momento muito limitado de Net e só amanhã espero regressar à minha normalidade.

Bjs

damularussa disse...

Convosco, DE PÉ, me insurjo tambem contra este flagelo que é a fome.
Envergonhemo-nos por permitir que em pleno seculo XXI, ainda haja fome. A culpa é de quem? NOSSA!!
Somos nós que elegemos governos, cabe-nos a nós EXIGIR que criem condições para que NUNCA NINGUEM SAIBA O QUE É FOME!!

DE PÉ SIM!!

A ti silêncio culpado, foi dos melhores post's, que num ano de blogagens, li.

Obrigada pelo teu apelo ao despertar de consciências.

R@Ser disse...

Cerca de 1milhão de pessoas na terra tentam sobreviver com us$1 por dia, esses formam uma verdadeira coalizão dos menos favorecidos (pra não dizer esquecidos).
Corrupção, fraudações e tudo que há de negativo no jogo de comércio não está apenas semeando a pobreza no mundo, mas também ressentimentos.
Os EUA e a UE se recusam a abrir mão de suas armas econômicas de distribuição em massa, refiro-me aos subsídios agrícolas e as tarifas, que segundo o Banco Mundial chega até meio trilhão de dólares e que poderia retirar cerca de 150milhões da miséria absoluta até 2015.


E AÍ GALERA VAMOS FAZER O QUÊ?

Fernanda e Poemas disse...

Olá Silêncio Culpado e outros, infelizmente teria muito a dizer,
mas vocês queridíssimos amigos, já disseram TUDO!
Digo-vos que estou solidária com tudo o que aqui foi escrito.
Amigos, Beijinhos para todos.
Fernandinha

M.C. disse...

Raso e vazio, a fome indaga:qual a fundura do prato?


........

M.C

avelaneiraflorida disse...

Aqui cheguei pela mão amiga de Silêncio culpado!!!

Reencontrei amigos e palavras que reproduzem alguns dos meus pontos de vista sobre o assunto. Não os vou repetir!
Postei no meu cantinho, algo sobre o tema e a conversa continuou...
Pessoalmente pouco posso fazer. Mas trabalho com jovens diariamente e tento alertá-los e passar-lhes a mensagem. Se conseguirmos que eles acreditem e actuem...algo de novo nascerá!!!

Tiago disse...

Get up! Stand up! Stand up for your rights
Get up! Stand up! Dont give up the fight
Bob Marley

Diz bem aquilo que devemos fazer para erradicar a pobreza! Chega de hipocrisia! Vamos levantar-nos e impormo-nos por e para uma sociedade mais justa!

Mia disse...

Claro que estendo a minha solidariedade, até porque a miséria, a fome, e todas as formas de descriminação me afectam. Pessoalmente e de uma forma insignificante para o que poderia ser feito se todos fizemos,contribuo com uma pequena gota neste imenso oceano, mas faço-o porque me sinto no dever de ajudar o próximo. Vou colocar uma imagem no post que vou publicar hoje, imagem que me ofereceram por saberem o quanto eu me preocupo com o meu semelhante, em que é a mostra mais que evidente, que quem mais precisa de ajuda é bem mais solidario de que muitos que poderiam fazer tanto e tanto pelos que precisam não fazem.
Eu ajudo ... mas se mais for preciso cá estarei.

M.C. disse...

Que a tua postagem alcance os olhos dos desesperados [nós].
Pois a fome não tem cor definida, mas tem cheiro, um cheiro insuportável, A MORTE.

.....


M.C

NuNo_R disse...

Estou SOLIDÁRIO com os Meus Amigos nesta causa tão importante a todos Nós.

BJS e ABR...PROF...

Luis Eme disse...

Levanto-me todos os dias...

não consigo ser indiferente a um problema que cresce todos os dias, tal como o desemprego, de Norte a Sul do nosso país.

E claro nos continentes mais pobres, por esse mundo desigual fora!

Abraço solidário

Anónimo disse...

Todas estas ideias são muito bonitas e convergem para a teoria mais antiga existente sobre a Terra de que é necessário haver pobres para que os ricos pratiquem a santa ESMOLA.
Porque não mobilizar JÁ (ontem já era tarde)toda a sociedade Portuguesa para a grave situação de mais de 2 MILHÕES(2.000.000)de cidadãos muitos até são nossos amigos ou vizinhos e arrancarmos dentro de portas para que os nossos Governantes sejam responsabilizados civilmente pelo estado em que se encontram tantos Portugueses.
Não haverá um JUIZ que tome esta iniciativa.

Mia disse...

Silêncio Culpado

Muito obrigado pela tua visita ao meu castelo e ainda mais obrigado pela bela inspiração que me deste para também eu dignificar este dia que se comemora.

Levantei-me e sempre me levantarei.

Um beijinho
Mia

Gi disse...

Muito do que eu poderia dizer já foi dito e eu sou pela economia de palavras . Seja como fõr ás vezes penso que é uma forma da nossa sociedade se auto-penitenciar pela forma como trata os outros. São iniciativas louváveis mas mais doq ue palavras é preciso agir. E isso é que eu vejo pouco... Um dia só não basta. É bom que se pense e se faça alguma coisa todos os dias. Eu faço a minha parte. pouco é certo mas todos juntos somos muitos.

Tem uma boa noite

Um beijinho


(a minha solidariedade nestas coisas passa pouco pelo virtual reservo-as para o real.)

José Teófilo Duarte disse...

Subscrevo.
Combater a pobreza é necessário e urgente.

Letras de Babel disse...

Presente!

Sem muita esperança na humanidade mas presente.

SILÊNCIO CULPADO disse...

A TODOS OS COMENTADORES

Fiquei impressionada com a categoria dos comentários que revelaram uma maturidade cívica que muitas se recusam a atribuir às denominadas "massas". A par dessa maturidade sentiu-se a revolta e uma consciência desperta para um problema que nos afecta e nos envergonha.
Independentemente de estarmos confinados a um espaço restrito da blogosfera, somos uma força que, como tal, não deve gritar apenas neste dia.
Vamos pois pensar numa iniciativa que dê continuidade a esta nossa "manifestação" e que só desapareça quando deixar de haver alguém com fome.

Alexandre disse...

Ficamos olhando a pobreza do alto dos nossos cómodos sofás... até que um dia ela pode entrar pela nossa porta sem pedir licença!!!

Peter disse...

O seu comentário foi parar ao meu blog "Peter's" que nem sequer é um blog.
Solidarizo-me inteiramente e, para já, vou:
- Colocar o seu blog nos links do n/blog http://conversasdexaxa4.blogspot.com (poderá constatar que é um blog de combate)
- Fazer c&p deste seu artigo e publicar um pequeno excerto do mesmo.

Quero esclarecer que recebi um sms, não sei de quem, a sensibilizarem-me para o assunto.

João Rato disse...

Uma caixa de comentários, um fórum digno de registo. Parabéns!
Apetece-me entornar o caldo e provocar os pensadores, incluindo eu: já viram por aqui hoje algum pobre?

J.G. disse...

Chego tarde, como é habitual em mim, mas ainda hoje!

Já me levantei, sim. Há muito tempo!

Pobreza declarada nas Finanças, são cerca de 2 milhões e tal, em Portugal!
Mas com toda a franqueza, não acredito que, DE FACTO, sejam tantos!
O que há é muito dinheiro plástico, muita gente endividada, mas pobres, mesmo, e fazendo vida de pobres, não acredito que sejam 2 milhões, talvez cercade metade.
Desculpem se "estraguei a onda", mas é o que penso.

Agora em vários países, de África sobretudo, sim, aí há verdadeira miséria.
E é especialmente por esses que me levanto, todos os dias.

Um abraço.

Antonieta de Sant´Ana disse...

Abre tua boca de clamores
e retoma a hora que ti sucede,
Que nehum Deus possa perdoar os
povocadores da fome perversa
que atravessa as almas desse planeta!

Assim minha alma grita aos quatro cantos do mundo e convoca todas os povos que luta para desterrar a maior crueldade - A FOME!
Eu vi dona Maria morrer de fome equanto as moscas dançavam entre sua boca.

Antonieta de Sant´Ana

SILÊNCIO CULPADO disse...

Não, Rei dos Leitões, aqui hoje só vi gente muito rica, inclusivé tu. E é com esta rica gente que poderemos contribuir para que não haja pobres.
Há os que defendem que as mudanças têm que ser de tal forma rápidas que só admitem inversões a 360 graus. Porém sempre considerei (e isto é apenas uma convicção pessoal)que é preferível fazermos pouco que não fazermos nada à pala de querermos fazer tudo. A vida humana, as suas dores e necessidades, não se compadecem da demora em encontrar soluções. Nesta perspectiva temos que começar pelo mais básico e palpável isto sem prejuízo de caminharmos no sentido em que a satisfação das necessidades básicas tenha que ser exercida pelo direito e não pela caridade.

David Alves disse...

Muito já foi dito e eu de certeza que não direi nada de novo acerca da iniciativa. No entanto, aproveito para questionar o que será feito amanhã? Amanhã já não será o dia internacional da erradicação da pobreza...Vamos fazer o quê? Esquecer e só nos lembrarmos para o próximo ano?

SILÊNCIO CULPADO disse...

Não David Alves, tu achas que depois de tudo o que aqui foi dito vamos ser os mesmos? Havemos de encontrar formas de dar continuidade.

Smile disse...

P...arte de um todo
O...cultado por quem manda
B...anido por quem tudo tem
R...ejeitado pela sociedade
E...speciais por fazerem do
Z...ero, uma vida mesmo que
A...margurada, triste e vazia

À minha maneira aqui deixo o meu comentários

Um bem haja a vós ****

Anónimo disse...

A minha alma está parva com esta concentração. Por aqui se vê que há pernas para andar e que os portugas não são assim tão amorfos e indiferentes.
O texto é cinco estrêlas.
Português anónimo, descontente e desempregado

Dalaila disse...

Estes elos de ligação não podem ser quebrados, assim levantemo-nos em prol de causas que acreditamos, cada um pode fazer alguma coisa, ajudar os sem abrigo, olhar os outros como um de nós, visitar instituições e oferecer bens necessários, dar o seu tempo.
Isto é o que podemos fazer no imediato, e cada um por si, masa quando tantas vozes se juntam, algo dessa dimensão se pode fazer.

C Valente disse...

Miséria , pobreza e fome é coisa que não fafalta neste mundo, uns muitos com pouco, outros poucos com muito
Saudações amigas

Miguel Ângelo disse...

Texto muito bem argumentado face ao problema em causa: A pobreza e a sua erradicação.Em relação a este assunto, digo, sinceramente, joga-se muitos no estudo estatístico do tema e pouco ao nada fazemos para (re)distribuir a riqueza mundial de forma equilibrada e racionalizada. Passo a concretizar: Se olhámos uma pequena aldeia com dez habitantes,em que têm dez galinhas, a estatística dirá que cada habitante terá, dem média, uma galinha, quando, na realidade, um poderá ter, supostamente, cinco galinhas e outro não terá nenhuma.
A atitude, dos ricos face a esta problemática, é que querem ter todas as galinhas possíveis e imaginárias e as sobras ficam para os pobres...É preciso e urgente, lançar um novo olhar sobre a pobreza, não só no dia da sua respectiva comemoração, bem como nos restantes 365, ou 366 dias do ano. Portanto, Bom combate à erradicação da pobreza em Portugal e em todo o mundo...

Crítica e denúncia disse...

Amigos, sei que alguns já votaram, mas deixo aqui a lista para quem falta votar no nome do blog a ser criado para a campanha contra a miséria. Peço que cada um dê um voto, escolha um único nome.Por favor deixar seu voto no meu blog para que eu possa reunir tudo. Beijo grande.
1- "GRITO NO SILÊNCIO"
2 - "VOZ DE UM POVO"
3 -"ECOS SENTIDOS"
4 -"CONTRA POBREZA: MARCHAR...MARCHAR !"
5 -"MARCHA DOS DESCAMISADOS"
6 - "NADA QUEREMOS VOSSO"
7 - "OUçAM"
8 - "PALAVRAS EM ARMAS"
9 - "S.O.S MISÉRIA"
10-"FOME NUNCA MAIS"
11 - "VOZ DO SILÊNCIO"
12 - "GRITO DAS VOZES CALADAS"

Conventodaalma@sapo.pt disse...

Se é contra a pobreza cá estou eu! Poderiam criar um ícone para colocar noutros blogues...

Rui Caetano disse...

A luta contra a pobreza poderá começar em cada gesto feito por nós mesmos.
Naturalmente que será pouco, no entanto, se juntarmos a força das palavras poderemos sensibilizar alguma consciência.
O bom seria conseguirmos fazer agir os nossos governantes, esses têm o poder nas mãos, mas pouco fazem.

RABISCOS DIGITAIS disse...

muito feliz em encontrar este blog, quero me engajar nesta campanha, sou educadora e pretendo colaborar em tudo o que for necessário, tenho vários blogs e blogs de projetos escolares que poderei estar contribuindo, também faço arte digital e deixo o convite para conhecer alguns de meus blogs:

http://aterraazul.blogspot.com/

http://404notfound-photos.blogspot.com/

http://copacabanacafe.blogspot.com/

http://eternal-fractals.blogspot.com/

por coincidência resolvi fazer este chamado: ser cidadão,onde pretendo fazer a minha parte e em breve estarei fazendo meu site e conforme for estarei criando uma ong, é que no momento estou atarefada por conta do final de ano

blog ser cidadão
http://sercidadaosim.blogspot.com/

tenho também uma comunidade escolar, no orkut e sou bem relacionada! portanto, conte comigo no que precisarem!
desde já agradeço e conto com a sua visita! um abraço

fátima queiroz
e-mail: menguinho4@hotmail.com